Brasileiros vivem crise alimentar e estão longe de comida de verdade – Notícias

Brasileiros vivem crise alimentar e estão longe de comida de verdade – Notícias
4.5 (90.61%) 147 votes


Carne moída com papelão. Uso de carne estragada na fabricação de linguiças e salsichas. Carnes podres maquiadas com aditivos químicos. Linguiça feita com cabeça de porco. E sabe-se lá mais o quê. A operação da Polícia Federal deflagrada nesta sexta-feira (17) trouxe à tona práticas perversas da indústria alimentícia brasileira — segundo os investigadores, as empresas se importam mais com seus lucros do que com a saúde dos consumidores. Para nutricionistas e organizações de defesa dos consumidores, as investigações revelam mais do que crimes: o Brasil vive uma crise alimentar, já que é cada vez mais difícil saber a origem do alimento que se leva à mesa.

A operação Carne Fraca (qualificada pela PF como a maior da história da corporação) encontrou uma série de irregularidades na fabricação e comercialização de carnes e embutidos. O alvo são grandes empresas de processamento de carnes, como o grupo JBS (das marcas Friboi, Swift, Seara), a BRF (Sadia e Perdigão) e Peccin (Italli). A operação também apura o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura na liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos — fiscais chegaram a autorizar a exportação de carnes com salmonella sem a devida fiscalização. Abaixo, entenda os riscos à saúde que esses alimentos podem causar:

“A gente perdeu a origem dos alimentos”, lamenta a nutricionista Carolina Chagas, diretora da Asbran (Associação Brasileira de Nutrição).

— Hoje você compra uma carne mas não tem a menor ideia de onde ela saiu, por quantos frigoríficos passou, por quanto tempo ficou armazenada. E isso tudo faz com que se tenha que acrescentar uma quantidade infinita de ingredientes para manter a aparência do produto final.

O delegado da Polícia Federal responsável pela operação Carne Fraca, Maurício Moscardi Grillo, afirmou em coletiva na manhã de sexta que algumas das empresas investigadas usavam ácido ascórbico (vitamina C) e outros elementos químicos muito acima do permitido por lei para maquiar o aspecto físico de alimento vencidos e estragados.

— O que interessa para esses grandes grupos é o mercado independente da saúde pública da população. Há uma falsa preocupação das empresas com a sociedade.

À tarde, o MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) convocou uma coletiva para “tranquilizar” a população a respeito dos alimentos brasileiros. Segundo o secretário-executivo da pasta, Eumar Novacki, as carnes que apresentaram problemas foram mortadela, salsicha e aves, além de suspeitas em carne bovina e ração animal.

“Não é um fato cotidiano, são fatos isolados”, disse ele sobre os servidores da pasta envolvidos nas acusações — ao todo, 33 pessoas foram afastadas de suas funções.

— A população brasileira pode ficar tranquila, os produtos brasileiros são de qualidade e é por isso que exportamos para 150 países. Os riscos são muito pequenos, de mais de 4.000 estabelecimentos nós temos 21 sob suspeita.

Os problemas para a saúde da população, no entanto, não se restringem aos estabelecimentos investigados.

“As irregularidades cometidas reforçam que o consumidor deve evitar alimentos ultraprocessados, produzidos a partir de carnes como salsicha, linguiça, nuggets, hambúrgueres e outros”, diz Ana Paula Bortoletto, nutricionista do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

Além do alto nível de processamento, Ana Paula também aponta o problema da origem do alimento.

— Estes tipos de produtos são formulações industriais feitas inteira ou parcialmente de substâncias extraídas de alimentos, fazendo com que não seja possível identificar qual a origem da matéria-prima. Dessa forma, a utilização de carne podre e estragada, papelão e pedaços de cabeça em frango, salsicha e linguiça, como identificados pela operação, ficam mascaradas por conta do nível de processamento do produto e a inclusão de aditivos alimentares como corantes, aromatizantes, realçadores de sabor, etc.

Carolina, da Asbran, lembra que as linguiças, por exemplo, são fabricadas utilizando-se também de ossos triturados e farinha, o que é permitido pela vigilância sanitária, mas desconhecido da população.

— O consumidor espera que a linguiça seja um misturado de carne, mas não é. Nós nos distanciamos da forma de fazer os alimentos. Quanto menos processos o alimento passar, como triturar, acrescentar, embalar, refrigerar, transportar, quanto menos etapas, mais próximo de ser comida de verdade ele é.

O que fazer?

A operação da PF levantou desconfiança de internautas nas redes sociais sobre a qualidade dos produtos. Afinal, o que podemos fazer no dia a dia?

“A forma mais segura do consumidor é procurar os menores caminhos”, diz Carolina.

— Se eu sei que tem alguém que produz alimento, então eu compro direto do produtor. Se tem um açougue que estabeleci relação de confiança, porque vejo produto, vejo quais são as peças, então eu compro ali. É diferente de pegar um produto embalado no freezer de supermercado, porque se eu tiver alguma dúvida, não tenho para quem perguntar.

Como o problema é a origem do produto, diz Carolina, fica difícil saber a qualidade do produto por sua cor, por exemplo, ou pelo rótulo, já que todo o processo se contamina.

— Os consumidores ficam à mercê. A solução é traçar estratégias para se aproximar do produtor daquele alimento, estabelecer relação de confiança.

O Idec também recomenda aos consumidores os alimentos in natura, ou minimamente processados e não embalados, além de evitar alimentos ultraprocessados, diz Ana Paula.

Em nota, o Procon de São Paulo lembra aos consumidores que, se possuírem algum produto das marcas envolvidas, “poderá solicitar junto ao fabricante a troca do produto ou a devolução com ressarcimento dos valores pagos. Caso não seja atendido, poderá procurar o órgão de defesa do consumidor da sua cidade”.



Source link

Add Comment