Casos de ebola no Congo representam alto risco nacional, mas baixo risco global, diz OMS | Bem Estar

Casos de ebola no Congo representam alto risco nacional, mas baixo risco global, diz OMS | Bem Estar
4.5 (89.8%) 51 votes


Surto, que foi confirmado na semana passada, atingiu até 20 pessoas. Como ocorre em área remota do país, risco global é baixo.

 Foto de arquivo de 2007 mostra paciente com sintomas de ebola sendo atendido por membro da organização Médicos Sem Fronteira em Kampungu, na República Democrática do Congo  (Foto: CHRISTOPHER BLACK / WORLD HEALTH ORGANIZATION / AFP) Foto de arquivo de 2007 mostra paciente com sintomas de ebola sendo atendido por membro da organização Médicos Sem Fronteira em Kampungu, na República Democrática do Congo  (Foto: CHRISTOPHER BLACK / WORLD HEALTH ORGANIZATION / AFP)

Foto de arquivo de 2007 mostra paciente com sintomas de ebola sendo atendido por membro da organização Médicos Sem Fronteira em Kampungu, na República Democrática do Congo (Foto: CHRISTOPHER BLACK / WORLD HEALTH ORGANIZATION / AFP)

O surto de ebola na República Democrática do Congo que atingiu até 20 pessoas ocorre em uma área extremamente remota e representa um alto risco em nível nacional, afirmou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira (18).

Em uma atualização sobre o surto, confirmado na semana passada, a agência da ONU para a saúde afirmou que há dois casos confirmados e 18 casos suspeitos de infecção por ebola. Três pessoas morreram entre casos suspeitos e confirmados.

Peter Salama, diretor-executivo da OMS para emergências em saúde, disse que a avaliação de risco sobre o surto é de que o risco é alto em nível nacional, médio em nível regional e baixo em nível global.

O difícil acesso ao nordeste do país, região afetada pelo vírus, é um grande desafio logístico no envio da ajuda médica, mas representa também uma barreira natural que limita o avanço da doença, altamente contagiosa.

A República Democrática do Congo é um dos países menos desenvolvidos do mundo e com uma enorme falta de infraestrutura.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *