Danos cerebrais em ex-jogadores de futebol geram preocupação | Bem Estar

Danos cerebrais em ex-jogadores de futebol geram preocupação | Bem Estar
4.4 (87.81%) 192 votes


Estudo envolveu seis homens que morreram com demência após longas carreiras jogando futebol. Todos eram exímios cabeceadores.

 Jogadores de futebol treinam na ciadae indiana de Chandigarh, em foto de 2007  (Foto: Reuters/Ajay Verma) Jogadores de futebol treinam na ciadae indiana de Chandigarh, em foto de 2007  (Foto: Reuters/Ajay Verma)

Jogadores de futebol treinam na ciadae indiana de Chandigarh, em foto de 2007 (Foto: Reuters/Ajay Verma)

Cientistas encontraram traços de danos cerebrais que podem causar demência em diversos ex-jogadores de futebol, aumentando preocupações sobre o perigo de frequentes impactos após cabeceios na bola ou colisões com outros jogadores em campo.

O pequeno estudo foi o primeiro do tipo, envolvendo seis homens que morreram com demência após longas carreiras jogando futebol. Todos eram exímios cabeceadores.

O estudo sugere que alguns jogadores profissionais de futebol podem ter risco dos mesmos problemas cognitivos a longo prazo sofridos por boxeadores e alguns jogadores de futebol americano.

Mas especialistas disseram que mais pesquisas são necessárias para provar qualquer ligação definitiva entre cabecear uma bola e desenvolver demência, e acrescentaram que o risco deve ser mínimo para jogadores ocasionais.

“Demonstramos que o mesmo tipo de patologia que ocorre em ex-boxeadores também pode ocorrer em alguns ex-jogadores de futebol que têm demência, mas enfatizo que isto é um número muito pequeno de jogadores”, disse o co-pesquisador líder Huw Morris, do Instituto de Neurologia da UCL, em Londres.

“A média da carreira destes jogadores era 26 anos, que significa milhares de horas de jogo, milhares de horas de treinos e milhares de cabeceios… Penso que o risco é extremamente pequeno para futebol recreativo.”

O futebol é o esporte mais popular do mundo e cientistas dizem que o perigo de danos na cabeça precisam ser pesados contra os benefícios conhecidos na melhoria da saúde cardiovascular, que reduz a probabilidade de desenvolvimento de demência.

O estudo, publicado no “Acta Neuropathologica” nesta quarta-feira (15), seguiu 14 jogadores aposentados com demência e teve permissão para exames post mortem em seis deles.

Os cientistas encontraram evidências de encefalopatia traumática crônica, possível causa para demência, em quatro dos seis cérebros. Todos os seis também tinham sinais do mal de Alzheimer.



Source link

Add Comment