Superbactérias ganham força: “Podemos voltar ao tempo em que era comum morrer de infecção”, diz médico francês – Notícias

Superbactérias ganham força: “Podemos voltar ao tempo em que era comum morrer de infecção”, diz médico francês – Notícias
Rate this post


Contaminações já não estão restritas aos hospitais e afetam comunidades, segundo ele

Quando o escocês Alexander Fleming descobriu em 1928, também por acaso, a penicilina, a partir de substâncias que inibiam as bactérias de um fungo, em seu laboratório mofado em Londres, o antibiótico começou a entrar na vida dos seres humanos. Mas a sensação de que todas as infecções poderiam ser combatidas, ao longo do tempo, se tornou dúvida e temor atualmente. De tanto o homem usar antibióticos no mundo, superbactérias, do tipo KPC, resistentes a antibióticos estão se proliferando.

A situação é um tanto ameaçadora, segundo alerta ao R7 o médico intensivista francês Philippe Montravers. Ele é professor doutor na Universidade Paris VII Denis Diderot, na França, e chefe do serviço de Assistência Pública do Hospital de Paris, cidade onde Louis Pasteur, no fim do século 19, realizou importantes descobertas no combate às infecções. Eram tempos de evolução, no entusiasmo inicial da Era Contemporânea. O que Montravers teme é que, neste momento, possa haver um retrocesso.

— Já não se trata de filme de ficção. Faz parte da realidade atual e é muito simples: poderemos voltar a um tempo, como os séculos 18 e 19, quando era comum morrer de infecção. Algo assim pode acontecer e já está acontecendo hoje, principalmente em países como Índia e China. Eu mesmo, em meu ofício de intensivista, vejo pacientes morrendo de infecção sem opções terapêuticas.

Projeções da OMS (Organização Mundial de Saúde) mostram que, a partir de 2050, cerca de 10 milhões de pessoas por ano morrerão por causa de bactérias resistentes a antibióticos. Seria algo maior do que o número de pacientes que atualmente morrem por causa do câncer, 8,2 milhões ao ano.

O Brasil também tem regiões com problemas. Dados da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) mostram que, em 2015, a KPC era a bactéria multirresistente mais notificada nas UTIs brasileiras.

E as contaminações já não estão restritas aos hospitais, segundo Montravers afirma, citando principalmente situações da Índia, China e África.

— O perigo da superbactéria já não é atingir apenas os pacientes. Ela hoje já causa infecções hospitalares e, mais do que isso, contamina pessoas saudáveis, da comunidade, chega às cidades, ganhando acesso a toda a sociedade.

Condições de higiene

A modernidade realmente é contraditória. Ela apresenta as descobertas, a tecnologia, a cura. Mas, por outro lado, propaga desigualdade, superpovoamento e doenças vindas das próprias descobertas. É nesse meio que a superbactéria é cultivada. O laboratório, neste caso, é o planeta Terra.

Na Terra que um dia Gagarin disse ser azul, homens angustiados vão consumindo remédios em excesso, se amparando nos antibióticos na ânsia de limpar seus organismos contaminados, fortalecendo novos organismos a resistirem.

Tudo isso, alimentado pelas superpopulações, onde as superbactérias mais se disseminam, ganham força em amontoados de pessoas sem condições básicas de higiene. E o homem tenta ser super-homem e não consegue. E os médicos tentam encontrar um antibiótico e não há acaso que os facilite, como fez com Fleming.

— São outros tempos, a penicilina foi descoberta com ajuda do acaso, mas hoje não podemos depender do acaso e sim de investimentos em pesquisa. Trabalhamos e conseguimos avançar, mas ainda não o suficiente para encontrar um antibiótico que trate dessas bactérias. Elas se tornam resistentes.

Agência alerta para risco de superbactérias no Brasil

Montravers realiza vários estudos a respeito da ação dos antibióticos. É um dos grandes especialistas neste assunto. Ele chegou na última semana ao Brasil, para participar do evento Ideal (Infectious Disease Education and Learning), promovido pela Pfizer, com o intuito de abordar essa questão de saúde pública. Nos trabalhos do médico, há gráficos que demonstram, por exemplo, como combater uma infecção abdominal. Mas em relação às superbactérias, ainda não há resultado seguro. O mais seguro, segundo ele, é prevenir.

— As bactérias vivem na Terra desde há 3 bilhões de anos. São animais espertos e mostram capacidade de sobreviver às novas descobertas. A comunidade científica está trabalhando, mas o ideal agora é que as pessoas não se descuidem da higiene, lavem as mãos, limpem, esterilizem equipamentos e utilizem antibióticos de maneira adequada.

Neste caso, a velha frase relativa às bebidas, também cabe a este tipo de medicação, pelo pensamento de Montravers: use com moderação.

— Muitos exageram, dando continuidade por dias ao uso do antibiótico, mesmo após a infecção ter cedido. O mais adequado é voltarmos a usar uma quantidade similiar à de 10 anos atrás. Doses adequadas bastam, não as elevadas.

Assista 24 horas à programação da Record TV

 



Source link

Add Comment